A INCUBADORA DE TRANSPORTADORAS DA AMAZON ESPERA CAPTAR NOVAS EMPRESAS EXCLUSIVAS.

INTERNACIONAL

Para dar conta da explosão do comércio eletrônico, a Amazon abriu perto de 200 novas estações de entrega nos Estados Unidos.


O alto crescimento da Amazon em plena inauguração da era Covid, criou um baita efeito colateral: faltam transportadoras. Até porque muitas não conseguem cumprir com os requisitos barra alta exigidos pela empresa. E as já contratadas simplesmente não estão dando conta do recado, isto é, levar os produtos entre suas diversas instalações. Gargalo do brabo.

Há gestores cuja missão é não deixar que as cargas sob sua responsabilidade fiquem estacionadas in perpetuum em um CD qualquer, que em caso de empastelamento semelhante, apelaram para a primeira solução apontada por suas cabeças: arrancar os cabelos. Se ainda os tivesse, é claro.

Não é o caso do pessoal da Amazon que está buscando outra forma menos dolorida de resolver o imbróglio. De acordo com informações do site The Information, eles criaram um programa de incubação de empresas de transportes, o AFT (Amazon Freight Partners). A esperança é reduzir sua dependência de grandes empresas de transporte rodoviário.

Pelo que se sabe, trata-se ainda de um programa em fase beta. Mesmo assim, já conseguiu atrair cerca de 130 empresas em todo o mundo, sobretudo nos Estados Unidos. A captação de interessados é feita através de um aplicativo, o Relay, que combina autônomos e pequenas empresas.





Até aí tudo bem. Passar por um programa desenvolvido por profissionais da pesada e conseguir um cliente cativo do porte da Amazon, é mesmo digno de um grande “UAU!”. Mas interjeição costuma mudar quando se descobre que um dos requisitos para entrar no programa é que a candidata disponha de pelo menos UR$ 30 mil em ativo líquidos, o que daria para cobrir os custos iniciais com contratação de motoristas, treinamento, seguro dos veículos, entre outras coisas que você conhece muito bem, mesmo estando no Brasil. Então, OPS !!

Calma, nada de desânimo, pois as empresas aderentes podem solicitar um empréstimo de até...UR$ 30 mil em condições de financiamento que prometem ser “bem confortáveis”. E mais, elas não precisam pagar pelo custo inicial dos caminhões : a Amazon vai alugar até 20 deles com sua marca estampada, sem cobrança de custos iniciais.

Para por aí? Não, pelo menos segundo as informações recebidas pela jornalista Paris Martineau a quem o embarcador disse que a incubadora fornece treinamento empresarial, empréstimos para compra de caminhões e outras formas de assistência às empresas do programa.

A contrapartida? As incubadas devem trabalhar exclusivamente para sua a Amazon e precisam ter seguro e autorizações pertinentes, além de contratar e gerenciar sua própria equipe de motoristas. Também não podem escolher os benefícios destinados aos profissionais do volante, seu salário, as rotas e muito menos – você vai adorar essa - o preço do frete. Ou será que você pensou que o almoço sairia de graça?

Ah, sim, a Amazon deduz automaticamente o valor do leasing dos veículos dos pagamentos semanais devidos às transportadoras.

A tática – e isso parece bastante claro - é captar iniciantes sem nenhuma experiência em logística ou transporte e fornecer o treinamento e condições necessárias, mas não gratuitas, que lhes permita manter e administrar uma frota de até 20 reboques com marca Amazon estampada e uma equipe de 30 a 50 motoristas.

Segundo o Information o objetivo seria expandir o conjunto de empresas de transporte rodoviário independentes que direcionam cargas exclusivamente para a grande varejista da Internet. Com isso ela, a Amazon, poderia ter a seu exclusivo serviço, entre 2.280 e 5.700 caminhões. Com um quarto das transportadoras fora dos Estados Unidos, atualmente tem à disposição cerca de 1.100 veículos personalizados com a marca Amazon em todo o mundo.

Só para constar, o Wamart tem aproximadamente de 7.400, só nos EUA.

Enfim, seria nada mal, controlar ainda mais fases do transporte de seus produtos entre as inúmeras unidades e destas para os clientes finais. Parece ser um grande combo logístico, tudo incluso, do primeiro ao último quilômetro.

Com essa iniciativa, que se ombreia com muitas outras igualmente vanguardistas, a companhia, ao que tudo indica, tem ainda outras grandes vantagens com o AFP, porque consegue ter transporte dedicado sobre o qual pode ter absoluto controle sem ter que contratar motoristas próprios em grande quantidade. Explica-se : se aqui no Brasil uma das grandes espadas que pairam sobre as cabeças de quem precisa contratar empregados ainda está na legislação trabalhista e na oneração das folhas de pagamento, nos Estados Unidos o xis da questão é outro. Os carrascos são os sindicatos, geralmente fortes e muitas vezes hostis, como aparentemente é o caso da Amazon.

É, realmente, para usar um inevitável chavão, a companhia fundada por Jeff Bezos não dá ponto sem nó.