Portugal é o quinto país europeu que mais atrai investimento em logística


Portugal entra para a lista o "G5" da logística europeia e pode ser considerado como um bom exemplo.


Fonte: Casa ao Minuto - notícias



Portugal é o quinto país europeu que mais atrai investimento em logística. Ficando apenas atrás de França, Alemanha, Espanha e Itália, Portugal encontra-se no 'top 5' dos países europeus que conseguem atrair mais investimento para o setor logístico. Esta é uma das principais conclusões retiradas do relatório 'European Real Estate Logistics Census' da consultora imobiliária Savills, enviado em comunicado ao Notícias ao Minuto.


Para os operadores logísticos, França (44%), Alemanha (43%), Espanha (39%), Itália (26%) e Portugal (24%) são os mercados que figuram no topo das preferências dos ocupantes que pretendem aumentar a sua capacidade de armazenamento na Europa, sendo mercados capazes de atrair cada vez mais investimento em logística, pode ler-se no documento.

"Existe uma oferta de armazéns deficitária em toda a Europa, mas com França, Alemanha e Espanha a continuarem a ser os mercados mais atrativos para os ocupantes que queiram aumentar a sua capacidade, devido ao crescimento das vendas de retalho 'online', significa que poderemos esperar o aumento dos valores das rendas nestes mercados ao longo dos próximos três a cinco anos", explica Mike Barnes, European Research Associate da Savills.

Segundo o mesmo documento, a maioria dos promotores, investidores e agentes considera que o setor logístico registou, nos últimos meses, um impacto positivo, fruto da reconfiguração das necessidades de armazenamento originadas pelo aumento do e-commerce e dos confinamentos, que obrigou à reestruturação das capacidades de armazenamento


No entanto, os operadores consideram que os obstáculos levantados pelo combate à pandemia, vieram condicionar a disponibilidade dos consumidores para efetuar despesas.

O relatório indica também que os impactos da pandemia foram mais sentidos pelos retalhistas, especialmente aqueles que têm uma menor presença 'online'. Face à reconfiguração dos padrões de comportamento no setor logístico, prevê-se a reformulação de algumas operações.


Desta forma, estima-se que 68% dos operadores adotarão posturas mais cautelosas e procurarão reduzir a exposição aos riscos ainda associados à incerteza do panorama pandémico. Esta abordagem pode verificar-se também na reorientação das atenções de muitos investidores para mercados de capitais, como França, Alemanha e Reino Unido.

Nesta senda, a Savills salienta ainda que "os operadores deverão também aumentar a sua capacidade de armazenamento para acomodar o crescimento da procura através de plataformas 'online'. Por outro lado, a escassez de ativos representa o maior obstáculo ao crescimento do setor logístico na Europa."


Por fim, é salvaguardado que as "cerca de 95% dos operadores logísticos antecipam que precisarão de mais ou do mesmo espaço de armazenamento ao longo dos próximos três anos, sendo que 47% afirma que é muito provável que venha a expandir a sua capacidade de armazenamento."


Veja mais:


Sob a perspectiva de quem vivia o ano de 2019, Antonio Nabo Martins, presidente executivo da APAT Associação dos Transitários de Portugal, concedeu entrevista a Talita Romano, do canal Logística Sem Fronteira sobre a matriz de transportes no País àquela época.

Parte 1

Parte 2