OPS! PAÍS GASTA UR$ 1 BI PARA CONSTRUIR PONTE QUE LEVA A LUGAR NENHUM

Atualizado: 14 de jan.

Não, não é esse país que você talvez esteja passando pela sua cabeça. Ele fica na...Europa


MONTENEGRO

Pontes e rodovias são obras de engenharia complexas, que costumam demandar muito dinheiro dos cofres públicos. Uma rodovia de 41 quilômetros em Montenegro — uma pequena república no sudoeste da Europa, que era parte da antiga Iugoslávia — custou cerca de US$ 1 bilhão, por exemplo.

Trabalhadores chineses passaram seis anos cavando túneis em rocha sólida e erguendo pilares de concreto acima de desfiladeiros, e o trecho que liga o vilarejo de Matesevo aos subúrbios da capital, Podgorica, será inaugurado em novembro.

O problema é que ela liga nada a lugar nenhum. E a economia do país pode quebrar por causa dos empréstimos que o governou contraiu para construí-la.

um pequeno erro de cálculo

A verdade é que a rodovia tem um propósito: ligar a região turística de Bar, na costa do Mar Adriático, à fronteira de Montenegro com a Sérvia, passando por Podgorica, capital do país. O governo, então, começou pelo trecho de 41 quilômetros que é a razão dessa matéria: por enquanto, a obra bilionária está ligando um subúrbio de Podgorica à vila de Matesevo — onde moram cerca de 100 pessoas.

Ou seja...

Quando for concluída, a estrada Bar-Boljare vai conectar a cidade de Bar, na costa do mar Adriático em Montenegro, à vizinha Sérvia, passando pela capital Podgorica.

Ainda é preciso fazer mais 130 km para terminá-la, a um custo provável de, no mínimo, mais US$ 1,2 bilhão. Faltam as ligações entre Bar e Podgorica e entre Matesevo e a fronteira com a Sérvia.

O maior problema, contudo, é que o governo pegou um empréstimo de quase US$ 1 bi (944 milhões, exatamente) com um banco chinês para realizar a obra e, agora, pode ir à falência. Essa quantia equivale a 15% do PIB (Produto Interno Bruto) e a um quinto de toda a dívida externa de Montenegro.

O prazo para começar a quitar o empréstimo começa em julho, antes mesmo de o primeiro trecho ficar pronto (que deveria ter sido inaugurado em maio de 2019, mas atrasou). Caso a dívida não seja paga, uma comissão de arbitragem em Pequim pode obrigar Montenegro a ceder a gestão de importantes infraestruturas do país, segundo cópia do contrato à qual a agência de notícias France Presse teve acesso.

Leia matérias na íntegra :