MG recebe etapa de testes de programa nacional para renovar frota de caminhões

Trabalhos são conduzidos pela concessionária Deva Veículos em trabalho conjunto com a montadora Iveco; alvos são caminhões com 30 anos de uso.


Fonte : O Tempo


Renovação de frota: bonus de R$ 30 a R$ 50 mil

Estado com a maior malha rodoviária do Brasil, Minas Gerais recebe, desde 1º de março, a etapa de testes para implementação do Programa de Aumento da Produtividade da Frota Rodoviária (Renovar), que vai trabalhar na substituição de caminhões com mais de 30 anos de uso no país.


A iniciativa é desenvolvida nacionalmente pelo governo Federal, por meio da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), órgão prestador de serviços ao Ministério da Economia. A Deva Veículos, concessionária com sede em Minas Gerais, e a montadora Iveco, com fábrica em Sete Lagoas, na região Central do estado, integram a fase preliminar do programa.


O objetivo é alavancar o setor de transporte de cargas rodoviárias com atualização da frota de veículos que circulam Brasil afora, em alguns casos, com caminhões que estão em condições inadequadas de tráfego e com tecnologias ultrapassadas. Outro foco do programa é promover uma descarbonização no setor, utilizando motores capazes de reduzir a emissão de poluentes


O período de testes do Renovar foi iniciado em março com uma etapa de captação, desmontagem e reciclagem de mais de 50 caminhões que têm mais de 30 anos de rodagem. Os trabalhos são realizados em uma estrutura de responsabilidade da Deva Veículos em Lavras, no Sul de Minas. Caminhoneiros que realizarem adesão voluntária ao programa vão ganhar um crédito com valores entre R$20 mil e R$30 mil. O benefício poderá ser utilizado para a aquisição de um modelo seminovo Euro V, fabricado pela Iveco, na Deva Veículos. Todos os caminhoneiros vão receber, ainda, um certificado de participação no programa. Os caminhões com longo período de vida útil serão encaminhados à sucata para a separação ferrosa e repasse para indústrias de transformações.


Também está prevista a geração de um certificado de isenção do IPVA por 10 anos. “O projeto será testado e aperfeiçoado pela Iveco e, para a próxima fase, vamos estruturar uma proposta mais robusta com foco em médio e longo prazo. Os benefícios para a sociedade são muitos, como por exemplo, maior competitividade para o setor de cargas e menor impacto de gases nocivos no meio ambiente”, explica o gerente de vendas da Iveco, George Carloto.

O gestor ressaltou que a montadora venceu a licitação feita pela ABDI para a atuação no programa. Carloto acredita que a renovação da frota é ponto crucial para o setor de transportes de cargas rodoviárias e, com a iniciativa, deve ganhar fôlego. De acordo com o gerente de grandes clientes da Deva, Fausto Oliveira, foram realizados esforços técnicos e financeiros para operacionalizar a etapa de testes. Oliveira lembrou ainda que, em outros países, iniciativas com essas diretrizes resultaram em transformações no mercado. “Com atuação em todo estado de Minas Gerais, exceto no triângulo mineiro, temos uma estrutura única de captação e logística para captar veículos incluídos no programa”, diz o gerente da Deva.


Frota

Levantamento do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), realizado em 2020, apontou que a frota de caminhões alcançou 2,1 milhões de unidades no Brasil. O estudo ainda apontou que 17% dos veículos apresentavam idade média de até cinco anos, 56% entre seis e 15 anos e 27% tinham uso acima de 16 anos.


Os dados, conforme o presidente da Iveco para a América Latina, Márcio Querichelli, reforçam a importância da renovação. “Essa é uma demanda que está em pauta há décadas e trará muitos benefícios para todos os envolvidos. A renovação da frota trará ainda a adequação às práticas sustentáveis no segmento, padrão de qualidade e segurança para motoristas e caminhoneiros”, salientou.


De acordo com o presidente da ABDI, Igor Calvet, o objetivo da agência é testar um modelo de negócio que contribua de forma efetiva para modernizar a frota de caminhões e incentivar a reciclagem veicular. “Com essa concorrência, queremos alavancar a economia circular e estimular um modelo de negócio sustentável do ponto de vista tanto ambiental quanto econômico”, detalha.