Invasão torna incerto o papel da Ucrânia como exportador global do agronegócio

Atualizado: 16 de abr.

As incertezas políticas globais pesaram nas mentes dos palestrantes no fórum anual de perspectivas do Departamento de Agricultura dos EUAna quinta e sexta-feira, mesmo com a previsão de que as exportações do agronegócio dos EUA valham bilhões em 2022


Fonte: Freight Waves. 4 min.



ASSISTA O VÍDEO O FINAL DA PÁGINA: COMO O CONFLITO NA UCRÂNIA AFETA O AGRONEGÓCIO NO BRASIL.

Espera-se que a invasão russa da Ucrânia tenha efeito sobre o comércio agrícola global, mas é incerto qual será esse impacto. A Ucrânia é considerada o quarto maior exportador de produtos agrícolas do mundo, exportando para a China, Oriente Médio, Norte da África e Europa. Os produtos exportados incluem trigo, milho e outros grãos.

Caso as exportações ucranianas e russas sejam afetadas por um potencial conflito prolongado, o mercado global pode se apoiar em outros exportadores, como os EUA e o Canadá.


"Há muita coordenação que precisamos fazer com nossos aliados e dentro de nosso próprio governo e economia para analisar as respostas apropriadas às ações russas", disse a embaixadora Katherine Tai junto ao Escritório do Representante de Comércio dos EUA no fórum anual do USDA. "A peça crítica em termos de coordenação entre aliados e dentro do nosso próprio governo e economia é descobrir como responder adequadamente e também cuidar dos impactos para nossa economia. ... Essa é uma área que temos que trabalhar muito de perto para avaliar onde os impactos vão ser, especialmente quando se trata de comércio agrícola.


O secretário de Agricultura dos EUA, Tom Vilsack, que estava entrevistando Tai, disse que a situação ucraniana "tem e terá um impacto. É algo que vamos ficar de olho."

Mas a Europa Oriental não é a única área de preocupação. A China é outra incerteza, com palestrantes no evento de dois dias do USDA incentivando os produtores dos EUA a procurar parceiros comerciais adicionais entre outras nações e países asiáticos no Oriente Médio e norte da África.


"Acho que os agricultores na China continuarão a enfrentar uma série de desafios, e eles vão precisar da parceria com os EUA em termos de poder alimentar o povo da China. Mas não se engane, estamos lidando com um país onde há muitas empresas controladas pelo Estado. E isso pode ter, por vezes, consequências em termos de transparência, em termos de informação disponível que impacta e afeta o mercado. Devido ao tamanho desse mercado, eles têm um impacto nos global", disse Vilsack na quinta-feira. "Portanto, vamos garantir que continuemos procurando maneiras pelas quais possamos incentivar uma maior transparência, um conjunto de regras pelas quais todos nós podemos viver para que tenhamos confiança e fé no mercado."


Ele continuou: "É importante que as pessoas nos Estados Unidos entendam que, por mais significativo que seja o mercado chinês, é absolutamente imperativo que nos diversifiquemos além apenas da China, que procuremos maneiras no Sudeste Asiático, Oriente Médio, África, América Latina. Há enormes oportunidades disponíveis nesses mercados também. Não queremos ser excessivamente dependentes de nenhum mercado único."

Embora as incertezas sociopolíticas globais pesassem na mente dos funcionários, o USDA persistiu em sua perspectiva para 2022. O ano passado representou um ano recorde para as exportações agrícolas dos EUA, enquanto a demanda interna também foi alta, de acordo com o economista-chefe do USDA, Seth Meyer. Enquanto a reabertura de restaurantes e estabelecimentos de varejo elevou a demanda por serviços de alimentação, a demanda por alimentos de varejo — do tipo comprado em um supermercado — permaneceu elevada à medida que os EUA entraram no segundo ano da pandemia COVID-19.


Essa demanda elevada apoiará os preços este ano, disse Meyer, acrescentando que o conflito na Europa Oriental terá um impacto desconhecido nas condições do mercado.

O USDA prevê que as exportações agrícolas dos EUA serão um recorde de US$ 183,5 bilhões no ano fiscal de 2022, um aumento de US$ 8 bilhões em 2021. Espera-se que as exportações de soja cresçam US$ 2,9 bilhões, para US$ 31,3 bilhões, em meio a preços mais altos e suprimentos globais mais baixos, enquanto as exportações globais de grãos e ração devem crescer de US$ 1,4 bilhão a US$ 42,9 bilhões, em meio a previsões mais altas de trigo e ração e forragem.


Enquanto isso, as importações estão previstas em um recorde de US $ 172,5 bilhões Esses números revisam uma previsão de novembro de 2021, mas não levam em conta a invasão da Ucrânia. Outros ventos contrários potenciais para o ano incluem a recuperação contínua do mercado da pandemia COVID-19, restrições da cadeia de suprimentos, preços de energia, política monetária e aperto no mercado de trabalho, de acordo com o USDA.

"Pode-se tomar a posição de que a perspectiva poderia ser azeda e incerta. Mas essa não é a minha posição. E não peso que deva ser sua posição. Acho que a agricultura americana é resistente. E acredito que agricultores, pecuaristas e produtores americanos estão comprometidos com um futuro sustentável", disse Vilsack. "E por essa razão, acredito que as perspectivas para a agricultura são bastante fortes e positivas."

 

Assunto relacionado. Assista o vídeo


Origem: Canal Eliane Ribeiro Lázaro - Da escola para o Campo - Cianorte