EUA: previsão da ATA sobre o transporte de cargas aponta para crescimento no período 2021/2032

Atualizado: 22 de jan.

Embora as coisas estejam longe da normalidade no transporte de cargas, na cadeia de suprimentos e na logística nos dias de hoje, um novo relatório recentemente divulgado pela American Trucking Associations (ATA) apresentou perspectiva positiva para o setor de caminhões.


Fonte: Jeff Berman para Logistics Management

Previsão é recurso indispensável para o transporte de cargas

Esse relatório, intitulado "U.S. Freight Transportation Forecast 2021 to 2032", sai em um momento em que não há escassez de preocupações da cadeia de suprimentos, incluindo os fatos de que os portos ainda estão lidando com problemas de congestionamento e atraso, há dificuldades em relação a mão-de-obra e disponibilidade de equipamentos, expectativas inflacionárias e o impacto contínuo da pandemia etc.

Previsões otimistas

Uma olhada de alto nível nas conclusões do relatório encontrou os seguintes takeaways: a tonelagem total de cargas crescerá de cerca de 15,1 bilhões de toneladas; em 2021 para 19,3 bilhões de toneladas em 2032 — um aumento de 28%; enquanto a participação dos caminhões na tonelagem diminuirá lentamente - de 72,2% em 2021 para 71% em 2032 — os volumes globais crescerão em todos os segmentos da indústria, como as cargas de lotações e fracionadas, entre outras. A tonelagem destinada a caminhões deve passar de 10,23 bilhões de toneladas este ano para 13,7 bilhões de toneladas em 2023 e a receita total derivada dos embarques primários nos EUA aumentará de um valor estimado de US$ 1,083 trilhão em 2021 para US$ 1,627 trilhão em 2032.


"Vale a pena notar que, embora a cadeia de suprimentos possa parecer fortemente fragmentada às vezes, dado seus múltiplos modos de transporte, regulamentos, tecnologias emergentes e tendências (pense na corretagem digital e última milha), muitos links da cadeia muitas vezes começam e terminam com um caminhão. Isso é algo que não pode ser negligenciado, e os dados apresentados neste relatório deixam isso muito claro." - Chris Spear, presidente e CEO da ATA,

O economista-chefe da ATA, Bob Costello, observou que, dado o ônus da cadeia de suprimentos em 2021, é importante ter em mente os vários "estressores" relacionados ao que se está lidando, incluindo o simples crescimento da demanda de frete e a economia servindo como fatores significativos.


"Depois de caírem 6,8% em 2020, o volume de cargas deve subir 7,4% este ano, veremos o crescimento contínuo da demanda em todos os modais para o futuro previsível", disse Costello.


E o presidente e CEO da ATA, Chris Spear, acrescentou que, à medida em que o transporte continua a olhar para o futuro, o relatório serve como uma "tremenda ferramenta para líderes do setor e formuladores de políticas", a fim de se obter uma avaliação mais precisa do que pode estar reservado.


"A previsão é um recurso indispensável para qualquer pessoa interessada em entender não apenas a indústria de caminhões, mas toda a economia de frete", disse Spears. Tendo escrito sobre este relatório em anos anteriores, deparei-me com essa observação sobre uma edição passada, que ainda se mantém verdadeira hoje, talvez mais do que nunca, dado os tempos estranhos e incertos em que ainda nos encontramos.


O ponto aqui é que o transporte continua a ser uma engrenagem vital na cadeia de suprimentos da nossa nação, tanto nos bons quanto nos maus momentos. Eu não quero falar pelos outros e rotular as coisas definitivamente como "boas" ou "ruins", então eu vou ficar com "incerto" ou "incomum" por enquanto.