Embarcadores recorreram ao transporte aéreo devido à falta de capacidade de transporte.


Empresas de diversas parte do mundo recorreram ao transporte aéreo devido à falta de capacidade de transporte marítimo


Fonte: The Time Hub - Índia , por Natasha Kumar - 5 min.


15 mil unidades de batom tiveram que ser entregues voando.

No verão passado do hemisfério norte, à medida que a crise de abastecimento marítimo piorava, um avião de carga na Itália foi rapidamente preenchido com milhares de batons. Eles estavam indo para os Estados Unidos com um prazo apertado.


Mehir Sethi, CEO e fundadora da marca de beleza True+Luscious, [empresa de cosméticos] com sede na Califórnia, diz que se baseou no transporte marítimo por anos que sempre foi confiável. Mas para levar 15.000 unidades de batom para seus clientes a tempo, sua única opção era pagar para enviá-los por via aérea. "Para minha grande dor, tivemos que fazê-lo para dois carregamentos urgentes; eram produtos que já estavam comprometidos com os varejistas", diz. Os batons chegaram com uma pequena perda para o negócio, mas ela diz que valeu a pena manter os clientes.

As empresas tomaram milhares de decisões como essa nos últimos meses. Não há sinais do que vá mudar ainda. "Usamos muito transporte aéreo, o que não é emocionante, mas é necessário com os desafios que todos enfrentamos", disse David Bergman, diretor financeiro da marca de roupas esportivas Under Armour, em uma teleconferência em novembro sobre o negócio. A Eastman Chemical Company também relatou usar frete aéreo para enviar plásticos especiais


Custos mais altos - Um serviço do Us Census Bureau chamado USA Trade Online, que rastreia fluxos de carga dentro e fora do país, observa que nos primeiros 10 meses de 2021, 78.900 toneladas de autopeças foram enviadas por via aérea da Ásia, aumento impressionante das 3.000 toneladas embarcadas durante o mesmo período em 2020.

O transporte de mercadorias por via aérea sempre foi caro. Mas agora está mais caro do que nunca. Os custos da Ásia para a América do Norte "atingiram níveis que nunca vi antes, US$ 15 por kg, o que é incrivelmente alto", diz Greg Knowler, editor sênior para a Europa no Journal of Commerce da IHS Markit. Os atrasos que afetam o transporte são parcialmente culpados, mas também é enorme queda nos voos de passageiros desde o início da pandemia.


Aumento da demanda - Mais da metade de toda a carga aérea do mundo geralmente viaja nos porões de aviões de passageiros. Mas com muito menos espaço disponível, as companhias aéreas fizeram um esforço para converter aviões de passageiros em cargueiros e recuperar modelos mais antigos em desuso.


A AirBridgeCargo Airlines, uma subsidiária da empresa russa de carga aérea Volga-Dnepr, está impulsionando sua frota com mais seis aviões, depois do que Alexey Zotov, diretor comercial, diz ser uma "temporada movimentada que nunca tivemos antes". Os atrasos no aeroporto "se acumularam como uma bola de neve desde o início do outono", acrescenta.

Algumas companhias aéreas, como a Air Canada, também colocaram aviões de carga em serviço mais cedo do que o planejado, mesmo antes de terminar de pintá-los em alguns casos.


Os fabricantes, incluindo a Airbus, foram inundados com pedidos de conversão de aviões antigos para transportar mais carga, apenas para obter capacidade adicional nos céus. O processo inclui a remoção de assentos para passageiros e a instalação de portas maiores.

As entregas de aviões Airbus convertidos secaram pelos próximos dois a três anos, diz Crawford Hamilton. "Vemos muitas pessoas comprando essas conversões, elas estão esgotadas pelos próximos dois ou três anos", diz Crawford Hamilton, chefe de marketing de cargueiros da Airbus. "Isso é algo que jamais diríamos há dois anos", acrescenta.


Superávit futuro? - Enquanto o frete aéreo represente apenas cerca de 1% de todo o mercado de cargas em termos de volume, seu valor é de 35% do total. Às vezes, produtos caros, como eletrônicos de consumo e itens de moda que têm uma vida útil curta no mercado [e alto valor agregado], são enviados pelo ar. Além disso, durante a pandemia, os aviões carregaram inúmeras cargas de vacinas e equipamentos de proteção individual.


A Airbus também lançou um novo serviço de carga aérea usando sua frota de cinco aeronaves BelugaST, também conhecidas como baleias voadoras graças à sua enorme fuselagem. A questão é se a demanda de carga aérea permanecerá forte, mesmo que a pandemia recue.


Como muitas aeronaves permanentemente convertidas para transportar carga e o fornecimento desse tipo de carga em ascensão, Robert Mayer - da Universidade de Cranfield – questiona se haverá muita capacidade no mercado dentro de cinco anos.

A Airbus acaba de lançar o A350F para atender à demanda antecipada das transportadoras de carga.Os fabricantes de aeronaves parecem confiantes. A fabricante espera um aumento na demanda de aviões dedicadas a carga nos próximos anos, e acaba de lançar essa aeronave em antecipação a isso.


Em termos de volume, transporta tanta carga quanto um Boeing 747, mas é 40% mais eficiente em combustível. Isso é conseguido em parte através do uso de materiais mais leves, compósitos e titânio no corpo da aeronave.


A Boeing também está otimista. Ela prevê que o número de cargueiros aéreos crescerá 60% globalmente entre 2022 e 2039. Se essa projeção for confirmada, os fabricantes precisarão construir 2.400 novos aviões de carga.Tom Sanderson, diretor de marketing de produtos da compania diz que pode introduzir uma variante cargueira de seu mais recente avião de corpo largo, o 777X, mas levará "vários anos" antes de entrar em serviço.


Desenvolvimento sustentável e meio ambiente - Mais cargas podem ser movidas pelo ar nos próximos anos, mas isso pode levar a um aumento indesejado nas emissões de gases de efeito estufa, a menos que a aviação se torne mais verde.

Tanto a Boeing quanto a Airbus estão testando "combustíveis de aviação sustentáveis", incluindo biocombustíveis de fontes renováveis que podem ser usados em aeronaves existentes no lugar de propulsores à base de combustíveis fósseis. A fabricante Evitation recebeu uma encomenda de 12 aeronaves elétricas por parte da DHL, o que faz prever que os pequenos aviões elétricos se tornem mais comuns.


Mehir Sethi, CEO da True+Luscious,

Como muitas outras empresas, a True+Luscious está repensando sua dependência das cadeias globais de suprimentos. Por isso decidiu obter alguns de seus produtos de fornecedores mais próximos, para evitar problemas futuros de envio. Sethi diz que "algumas das encomendas que costumávamos fazer com nosso fabricante italiano agora irão para o nosso fabricante de Nova Jersey", diz ela.

Além do custo proibitivo, uma coisa que impede a empresa californiana de usar o frete aéreo com mais frequência para transportar seus produtos de beleza é o impacto ambiental. "Eu definitivamente me ressentiria do aumento da nossa pegada de carbono como empresa se tivéssemos que confiar em viagens aéreas", diz ela

 

Assunto relacionado


Airbus cria companhia de cargas especiais com seus Belugas


Vídeos relacionados

O A350F. Cargueiro de nova geração

Do canal Airbus








A crise global dos contêineres

Do canal Coiote