Custos continuam sendo maior preocupação para escoamento de grãos em MS

Custos continuam sendo maior preocupação para escoamento de grãos em MS. Diesel é vilão.


Texto-base original :Rodrigo Almeida e Valesca Consolaro, para o Correio de Estado


Diesel teve aumento superior a 50% de 2021 para 2022.

Levantamento da Aprosoja- Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso do Sul indica que o preço do óleo diesel deverá ser responsável pelo aumento de 1,7% do custo total só na safra de soja que começa em setembro.


Segundo as informações levantadas, o diesel aumentou 52,5% de 2021 para 2022. Apenas em setembro deste ano, o diesel deverá representar um custo de 3,26%.


Logo, o presidente Aprosoja, André Dobashi, destaca que o frete deverá aumentar pelo menos 5%, para custear essa valorização do diesel.

Um problema que era levado em consideração até o momento, em razão dessa alta do combustível, seria a ameaça na demanda de caminhoneiros. Entretanto, esse risco parece estar descartado.


André Dobashi destaca que “Não visualizo o risco de uma demanda por caminhões maior que a oferta, durante o escoamento do milho. O problema é que os caminhões estarão mais caros, esse é o ponto. Conforme os dados levantados, o preço do diesel deve causar impactos nos custos logísticos.


O presidente da Aprosoja afirma que “Classificamos como um absurdo os altos preços praticados, inclusive, destacamos que os reajustes da gasolina e do etanol não chegaram nas bombas de diesel, o que está sendo uma afronta para quem produz e transporta”. O representante lembra ainda que, em outros momentos da história, caminhoneiros organizam greves e paradas por muitos menos que isso.

cubpb.gif