top of page

Cummins aposta no hidrogênio para caminhões mais sustentáveis

A empresa americana Cummins, líder mundial em motores a diesel, está investindo em tecnologias de hidrogênio para reduzir as emissões de poluentes dos caminhões. A ideia é desenvolver motores que possam usar tanto hidrogênio líquido quanto gasoso, além de células de combustível que geram energia elétrica a partir do hidrogênio.




Leitura rápida:

  • A Cummins já possui projetos de motores a hidrogênio em parceria com fabricantes de caminhões, como a Hyundai e a Iveco.

  • A empresa também investe em infraestrutura para produção e distribuição de hidrogênio, como eletrolisadores e postos de abastecimento.

  • Os motores a hidrogênio podem ser do tipo célula de combustível, que converte o hidrogênio em eletricidade, ou do tipo combustão interna, que queima o hidrogênio diretamente.

  • Os benefícios dos motores a hidrogênio incluem maior autonomia, menor tempo de recarga e menor ruído do que os motores elétricos a bateria.

  • Os desafios desse tipo de motores envolvem custos elevados, segurança no transporte e armazenamento e disponibilidade de fontes renováveis de hidrogênio.

  • A expectativa é a de que os motores a hidrogênio se tornem uma opção viável e competitiva ao diesel em caminhões nos próximos anos


A Cummins, fabricante de motores para veículos pesados, está trabalhando em motores a hidrogênio verde (H2V) como opção ao diesel em caminhões. Trata-se de um combustível limpo que não emite carbono na queima e pode ser usado tanto em células de combustível quanto em motores de combustão interna. A companhia aposta na segunda opção como uma alternativa de baixo custo e fácil implementação para os caminhões de longa distância.


Já foram desenvolvidos pela compania norte-amerficana dois protótipos de motores desse tipo: o B6.7H, com 6,7 litros e 290 cv, e o X15H, com 15 litros e 500 cv. O primeiro foi instalado em um caminhão Mercedes Atego de serviço médio e apresentado na IAA Transportation Exhibition em 2023. O segundo faz parte de uma nova plataforma independente de combustível da Cummins e tem a produção prevista para 2027. Ambos os motores usam tanques de fibra de carbono para armazenar o hidrogênio a uma pressão de 700 bar, o que permite uma autonomia de mais de 500 km.


A Cummins afirma que os motores a hidrogênio são uma tecnologia importante no caminho para a descarbonização do transporte pesado, pois permitem o uso das mesmas transmissões e pacotes de refrigeração de um motor a diesel, além de serem mais silenciosos. Diz também que está trabalhando em estreita colaboração com os operadores de frota na viabilidade comercial da tecnologia, que enfrenta desafios como a infraestrutura de abastecimento e a redução dos custos dos tanques de combustível.




 

Ligações externas:














Comments


bottom of page