top of page

Brasil e Uruguai avançam na integração hidroviária da Bacia Mirim-São Gonçalo.

Brasil e Uruguai comemoram avanços na integração hidroviária da Bacia Mirim-São Gonçalo, que permitirá o transporte fluvial entre os dois países. A licitação para a drenagem da hidrovia está prevista para setembro de 2023.


Tocando o barco

Resumo:

  • A Bacia Hidrográfica Mirim-São Gonçalo é um espaço binacional entre Brasil e Uruguai, com grande importância socioeconômica e ambiental.

  • Um dos principais projetos de integração é a hidrovia da Bacia Mirim.

  • São Gonçalo, que visa melhorar a navegabilidade do canal São Gonçalo, que liga as lagoas Mirim e dos Patos.

  • O projeto da hidrovia é resultado de um longo processo de cooperação entre os governos brasileiro e uruguaio, que começou na década de 1960 com a criação da CLM e a assinatura do Tratado da Lagoa Mirim.

  • Em 2007, foi criada a ALM, uma entidade pública binacional que tem como objetivo promover e coordenar as ações de desenvolvimento sustentável da bacia.

  • A licitação para a drenagem da hidrovia está prevista para setembro de 2023, com custo estimado de US$ 40 milhões, financiado pelo Fonplata.

A Bacia Hidrográfica Mirim-São Gonçalo, também conhecida como hidrovia do Mercosul, é um espaço binacional localizado no extremo-sul do Brasil e a leste do Uruguai, que abrange 22 municípios brasileiros e 11 departamentos uruguaios. Ela possui grande importância socioeconômica e ambiental para os dois países, pois abriga uma população de cerca de 770 mil habitantes, além de uma rica biodiversidade e recursos hídricos estratégicos.


Um dos principais projetos de integração entre os dois países é a sua drenagem, que visa melhorar as condições de navegabilidade do canal São Gonçalo, que liga as lagoas Mirim e dos Patos. A obra permitirá o transporte fluvial de cargas e passageiros, reduzindo os custos logísticos e estimulando o desenvolvimento regional.


O projeto é fruto de um longo processo de cooperação entre os ambos os governos, que começou na década de 1960 com a criação da Comissão Mista Brasileiro-Uruguaia para o Aproveitamento da Bacia da Lagoa Mirim (CLM). Em 1977, foi assinado o Tratado da Lagoa Mirim, que estabeleceu os princípios e as normas para a gestão compartilhada dos seus recursos hídricos. Em 2007, foi criada a Agência para o Desenvolvimento da Lagoa Mirim, entidade pública binacional cujo objetivo é promover e coordenar as ações de desenvolvimento sustentável da bacia. A licitação para a drenagem está prevista para ocorrer em setembro de 2023, com possibilidade de as obras se iniciarem no início de 2024. O custo estimado é de US$ 40 milhões, sendo financiado pelo Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata). A obra consiste na remoção de sedimentos do leito do canal, aumentando sua profundidade e largura.


A hidrovia é um exemplo de como a água pode ser um elemento de integração transfronteiriça, gerando benefícios econômicos, sociais e ambientais para os dois países vizinhos. Modelo pioneiro na América do Sul, a gestão compartilhada dos recursos hídricos pode inspirar outras iniciativas de cooperação regional.

A hidrovia Mercosul é de cerca de 200 km, sendo 120 km em território brasileiro e 80 km em território uruguaio.





 

LIGAÇÕES EXTERNAS:

Comments


bottom of page