top of page

Biocombustível HVO reduz até 90% do CO2 em caminhões

O Reino Unido está liderando o uso de um biocombustível que pode diminuir drasticamente as emissões de gases do efeito estufa com o uso HVO, um óleo vegetal hidrotratado que pode ser usado em qualquer caminhão sem precisar de adaptações.

A aposta no HVO

Leitura rápida:

  • Reino Unido aposta em biocombustível HVO para reduzir CO2

  • HVO é feito de óleo vegetal hidrotratado e emite até 90% menos CO2

  • Pode ser usado em caminhões sem alterar o motor ou a manutenção

  • em desempenho equivalente ao diesel convencional em longas distâncias

  • É compatível com as normas ambientais da União Europeia

  • É fornecido por empresas como Shell, Neste e Green Biofuels

  • HVO é alternativa sustentável e econômica para o transporte rodoviário

O Reino Unido é um dos países que está apostando no uso de combustíveis renováveis em seus motores para reduzir as emissões de CO2, o principal gás responsável pelo efeito estufa. Um dos biocombustíveis que vem ganhando destaque é o HVO (Hydrotreated Vegetable Oil), ou óleo vegetal hidrotratado, que é produzido a partir de óleos vegetais ou gorduras animais e tem características semelhantes ao diesel fóssil, mas com vantagens ambientais e operacionais.


Em breve, em um posto perto de você

Biocombustível de segunda geração, não compete com a produção de alimentos e pode ser obtido a partir de resíduos orgânicos, como óleo de cozinha usado, gordura animal ou biomassa lignocelulósica, isto é, materiais fibrosos que formam matrizes complexas constituídas de celulose, hemiceluloses, pectinas e outras gomas.

O processo de produção envolve a hidrogenação catalítica dos óleos ou gorduras, resultando em uma mistura de hidrocarbonetos parafínicos que tem baixo teor de enxofre, oxigênio, nitrogênio e aromáticos. Essas propriedades conferem ao HVO alta qualidade e estabilidade, além de reduzir as emissões de poluentes como material particulado, óxidos de nitrogênio e monóxido de carbono.

Esse tipo de combustível é drop-in, ou seja, pode ser usado diretamente nos motores a diesel sem necessidade de adaptações ou misturas com o diesel fóssil. Isso facilita a sua distribuição e armazenamento, pois pode utilizar a mesma infraestrutura já existente para o diesel convencional, mantém o desempenho dos motores e permite intervalos de manutenção mais longos, pois não forma depósitos ou corrosão nos componentes do sistema de injeção.


Relacionado MSC lança programa de carbono zero com biocombustível

O principal benefício do HVO é a redução das emissões de CO2, que pode chegar a 90% em relação ao diesel fóssil, dependendo da matéria-prima utilizada. Isso contribui para o cumprimento das metas climáticas estabelecidas pelo Acordo de Paris e pela União Europeia, que visam limitar o aumento da temperatura global a 1,5°C até o final do século.


O Reino Unido tem como objetivo alcançar a neutralidade carbônica até 2050 e já anunciou medidas para incentivar o uso de biocombustíveis em diversos setores, como transporte rodoviário, ferroviário e aéreo.

Algumas marcas que já oferecem o sistema de uso do HVO em seus veículos são: Scania, Volvo, Mercedes-Benz, MAN, DAF e Iveco. Essas empresas reconhecem o potencial do combustível como alternativa sustentável e eficiente para o transporte de cargas e passageiros Distribuidoras do País já comercializam o combustível para os consumidores finais, como a Crown Oil, a Green Biofuels e a Green Energy UK.

 

Ligações externas:

bottom of page