top of page

Aumento da letalidade em acidentes com caminhões

Em 2023, acidentes com caminhões nas rodovias federais resultaram em letalidade duas vezes maior comparada a outros veículos.

 







Jogo rápido

Dados da Polícia Rodoviária Federal indicam que em 2023, ocorreram 17.579 acidentes com caminhões, resultando em 2.611 mortes. Isso representa uma taxa de mortalidade de uma morte a cada 6,7 acidentes, significativamente mais alta do que a taxa de um óbito a cada 12 acidentes envolvendo todos os tipos de veículos. Esses números alarmantes refletem a necessidade de medidas de segurança mais rigorosas para veículos de grande porte nas estradas.


Acidentes envolvendo caminhões nas estradas federais brasileiras representam um grave problema de segurança pública. Dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) revelam que, em 2023, ocorreram 17.579 acidentes com caminhões, resultando em 2.611 mortes. Isso significa que, para cada 6,7 acidentes com caminhões, uma vida foi perdida. Comparativamente, a letalidade desses acidentes é praticamente o dobro da registrada em sinistros com outros tipos de veículos, onde a proporção foi de uma morte a cada 12 acidentes.

 

A alta letalidade dos acidentes com caminhões pode ser atribuída a vários fatores. Caminhões, devido ao seu tamanho e peso, têm um potencial de destruição maior em comparação com veículos menores. Em caso de colisão, as consequências tendem a ser mais severas, especialmente para os ocupantes dos outros veículos envolvidos. Além disso, os motoristas de caminhão enfrentam jornadas de trabalho extenuantes, o que pode levar ao cansaço e à diminuição da atenção na direção, aumentando o risco de acidentes.

 

A legislação brasileira impõe regras mais rígidas para os motoristas profissionais, como a Lei do Descanso, que estabelece limites máximos de trabalho e obriga a realização de exames toxicológicos. No entanto, a fiscalização contra o uso de substâncias psicoativas ainda é um desafio. O consumo dessas substâncias aumenta significativamente o risco de acidentes e mortes nas estradas e iniciou testes com o drogômetro para fiscalizações. 


Outro dado preocupante é que, até abril de 2023, quase metade das mortes em rodovias federais envolveu acidentes com caminhões ou carretas. Isso representa um aumento em relação ao mesmo período do ano anterior. A PRF registrou que um de cada quatro acidentes envolveu esses veículos de carga pesada, com 1.211 vítimas com ferimentos graves e 631 mortes.

 

É mais do que sabido que a dependência do transporte rodoviário de cargas no Brasil é um fator que contribui para a alta incidência de acidentes com caminhões. A maior parte da carga no país é transportada por rodovias, o que resulta em um número elevado de caminhões circulando, aumentando a probabilidade de acidentes. Não dá para esquecer que infraestrutura rodoviária raramente acompanha o volume e as necessidades desse tipo de transporte, o que pode levar a condições perigosas para a condução. Conforme informou o site Hoje em Dia, para este ano, o investimento previsto é de R$ 1 bilhão para obras de construção e serviços de manutenção/restauração


Medidas preventivas são essenciais para reduzir a letalidade dos acidentes com caminhões. Isso inclui a melhoria da infraestrutura rodoviária, a fiscalização mais efetiva das condições de trabalho dos motoristas, a implementação de tecnologias de fiscalização como o drogômetro e a conscientização dos motoristas sobre os riscos associados à fadiga e ao uso de substâncias psicoativas. A segurança nas estradas é uma responsabilidade compartilhada entre motoristas, empresas de transporte, autoridades de trânsito e o governo, e requer ações coordenadas para proteger a vida de todos os usuários das rodovias.



 

Ligações externas:


Comentários


bottom of page