A Amazon está fazendo seus próprios contêineres e contornando o caos da cadeia de suprimentos com na

Atualizado: 22 de jan.


Por anos, a Amazon vem fretando silenciosamente navios de carga privados, fazendo seus próprios contêineres e alugando aviões para controlar melhor a complicada jornada de navegação de uma encomenda on-line. Katie Schoolov para CNBC



Para a Amazon o jeito foi fabricar os próprios contêineres

Como muitos varejistas entram em pânico com o caos da cadeia de suprimentos, os movimentos iniciais caros da Amazon estão ajudando a evitar os longos tempos de espera para o espaço disponível nas docas e trabalhadores nos portos mais movimentados do país, Long Beach e Los Angeles.

"Em Los Angeles, há 79 navios sentados lá fora por até 45 dias esperando para entrar no porto", disse o analista de cargas oceânicas Steve Ferreira à CNBC em novembro. "O último empreendimento da Amazon que tenho acompanhado, esperou dois dias no porto."

Ao fretar navios de carga privados para transportar suas mercadorias, a Amazon pode controlar para onde vão suas mercadorias, evitando os portos mais congestionados.

"Quem mais pensaria em colocar algo indo para um porto obscuro em Washington, e depois transportá-lo para L.A.? A maioria das pessoas está pensando, bem, apenas trazer o navio para direto para a cidade. Mas aí você estria experimentando aqueles dois dias a três semanas de atraso. Então a Amazon realmente se aproveitou de algumas das estratégias de nicho que, acredito, o mercado precisa empregar", disse Ferreira.

Ainda assim, a Amazon tem visto um aumento de 14% nos itens fora do estoque e um aumento médio de preços de 25% desde janeiro de 2021, de acordo com a plataforma de gestão de comércio eletrônico CommerceIQ.

"O consumidor vem sentindo aumentos de preços em tudo o que está comprando", disse Margaret Kidd, diretora do programa Supply Chain & Logistics Technology da Universidade de Houston. "Em última análise, quando há um aumento no custo do transporte, ele é repassado ao consumidor."

A Amazon tem tido uma onda de gastos para controlar o máximo possível do processo de transporte. Gastou mais de US$ 61 bilhões em envios em 2020, contra pouco menos de US$ 38 bilhões em 2019. Agora, está enviando 72% de seus próprios pacotes, contra menos de 47% em 2019, de acordo com o SJ Consulting Group.

Ela está mesmo assumindo o controle no primeiro passo da viagem de transporte, construindo na China seus próprios contêineres de carga de 53 pés. Os contêineres estão em falta, com longos tempos de espera e preços subindo de menos de US $ 2.000 antes da pandemia para US $ 20.000 hoje.

"A Amazon produziu provavelmente de 5.000 a 10.000 desses contêineres nos últimos dois anos que eu tenho rastreado", disse Ferreira. "Quando ela traze esses recipientes para solo americano e eles são descarregados, adivinhe: eles podem ser usados no sistema doméstico e no sistema ferroviário. Não é necessário devolvê-los para a Ásia como todo mundo faz.

Um navio de carga chamado Star Lygra ligou para o Porto de Houston em 5 de outubro de 2021, cheio de contêineres da Amazon.


Contêineres da Amazon chegam ao Porto de Houston no navio de carga Star Lygra em 5 de outubro de 2021 . Foto: Porto Houston

Lauren Beagen, advogada marítima e fundadora da Squall Strategies trabalhava na Comissão Marítima Federal quando a Amazon se registrou pela primeira vez na agência em 2015, a primeira indicação de que estava explorando seu próprio negócio de fretes oceânicos. Ela observa que "ao criar seus próprios contêineres, estão essencialmente garantindo que os equipamentos estarão disponíveis para eles.

Então, em 2017, a Amazon começou a operar silenciosamente como despachante global de cargas através de uma subsidiária chinesa, ajudando a mover mercadorias através do oceano para seus vendedores da China que pagam para fazer parte do programa Fulfilled by Amazon. Internamente, empesa apelidou o projeto de "Barco do Dragão".

Ferreira explicou que "o volume da Amazon como vendedor oceânico — isso mesmo, você leu de forma correta, eles são considerados vendedores oceânicos - os classificaria entre as cinco maiores empresas de transporte da Trans Pacific.

Nesta temporada, um punhado de outros grandes varejistas - Walmart, Costco, Home Depot, Ikea e Target - também estão fretando seus próprios navios para contornar os portos mais movimentados e ter suas mercadorias descarregadas mais cedo.

Segundo Ferreira entende, "o verdadeiro propósito desses navios quando foram construídos não eram os contêineres. Era realmente madeira, produtos químicos, grãos, produtos agrícolas. Mas por causa da engenhosidade, criatividade e falta de espaço, a Amazon e muitas outras pessoas inteligentes rapidamente descobriram como converter algumas dessas embarcações multiuso em porta-contêineres.

De acordo com estimativas de capacidade da Ocean Audit, os pequenos cargueiros de 1.000 contêineres que estão sendo fretados pela Amazon e outros podem conter 180 vezes mais, com os maiores navios de carga carregando mais de 3.600 vezes o que os aviões podem conter.

Para alguns dos bens de maior margem todavia, a companhia está evitando completamente os portos, supostamente alugando pelo menos dez aviões de longo curso que podem obter quantidades menores de carga diretamente da China para os EUA muito mais rápido. Um dos aviões Boeing 777 convertidos pode transportar 220.000 libras de carga

Outra pressão na cadeia de suprimentos é a mão-de-obra. Judy Whipple, professora de gestão da cadeia de suprimentos da Universidade Estadual de Michigan afirma que se tem ouvido muito sobre a grande quantidade de demissões, com muitos empregos abertos e não preenchidos. “Então eu acho que as empresas estão procurando ser muito criativas na atração de mão-de-obra. Pode ser bônus de assinatura, salários mais altos", disse

Para combater a escassez de trabalhadores a Amazon diz que está oferecendo bônus de assinatura de até US$ 3.000 a todos os 150.000 trabalhadores sazonais que está contratando este ano. No ano passado, contratou 100.000.

John Esborn, que costumava executar operações logísticas para a Wayfair e agora é o chefe de transporte internacional do agregador da Amazon Perch, conta que “esse aumento de 50.000 funcionários este ano em relação ao ano passado provavelmente correspondem à contratação de pessoas para efetuar descarregamentos. Eles têm esses contêineres chegando no último segundo e querem descarregar as mercadorias e colocá-las nas prateleiras dos centros de atendimento o mais rápido possível”.

Os trabalhadores sazonais estão descarregando e carregando, colhendo e embalando em mais de 250 novas instalações que a Amazon diz ter aberto nos Estados Unidos, apenas em 2021 — uma clara indicação de que planejava muito à frente o gargalo final no backlog da cadeia de suprimentos: a capacidade do armazém.

 

Assista o vídeo na Galeria TRC ON TIME.